Casa da Música ( anterior às obras de 1996.)

A antiga casa da Música de Óbidos, sede da Sociedade Musical e Recreativa Obidense, é um edifício emblemático, acarinhado e presente na memória dos obidenses. Foi durante algumas décadas o local de convívio, de lazer, de bailes de carnaval e dos santos populares, espaço de cultura e…. Sim! Se ampliarem a foto aqui no blogue, vê-se ainda os buracos na areia onde a malta mais nova jogava ao berlinde.

Havia noites de  teatro, de música,  matines de cinema por vezes animadas até de mais. E era o local, numa época que ainda poucos tinham televisão em casa , para se poder ver os festivais da Eurovisão.

Foi também sede do Óbidos Sport Club.

Infelizmente o Arquivo Histórico não possui qualquer foto do seu interior com nenhum desses bailes e festas. Mas quero agradecer a todos os que comentaram e deram o seu testemunho sobre a sua vivência na antiga casa da música, nos vários sites e páginas, que julgamos ter reconstruído uma imagem da “Casa” desses tempos.

Foi na antiga casa da música que, no dia 1 de Dezembro de 1973, se deu um acontecimento singular que haveria de imortalizar o edifício na História contemporânea de Portugal.

No final de 1973, o Movimento dos Capitães decidiu realizar uma reunião alargada, onde se faria representar todas as unidades do exercito. A reunião foi marcada para Óbidos, porque os capitães do R15 das Caldas da Rainha aí haviam conseguido um local apropriado (obtido através do então 1ºcabo miliciano Otávio Pinto, que viria mais tarde a sofrer as consequenciais da sua acção, sendo transferido compulsivamente para os Açores.

Preparada numa reunião realizada em S. Pedro do Estoril em 24 de Novembro, a reunião de Óbidos, como ficou conhecida, viria a ser uma das principais reuniões corporativas que nos levariam ao 25 de Abril.

Em Óbidos, onde estiveram presentes 180 oficiais, representando mais de 420, o movimento consolidou-se, evoluiu quase de forma meteórica e … em 25 de Abril, menos de 5 meses depois, aconteceu a liberdade.

in: Essencial Descobrir Óbidos, nº 14

 

Desse dia há apenas uma imagem.  A de Dinis de Almeida ,em Caldas da Rainha, a indicar a direcção para a reunião de Óbidos.

 

O cabo miliciano Otávio Pinto – Açores, inícios de 1974.

Após ter organizado a reunião em Óbidos, o então cabo miliciano Otávio Pinto, que nada sabia do teor da reunião, pensando apenas tratar-se de uma simples patuscada, nada mais soube do assunto. No entanto, a 19 de Dezembro foi chamado ao Quartel-general, em Lisboa, onde lhe puseram nas mãos uma guia de marcha naquele mesmo dia para os Açores, com a única explicação de que era do interesse do serviço. Embarcou a 23 , com as saudades da filha recém-nascida.

Interior da antiga casa da música (1983). Comemoração do 10° aniversário da reunião de Óbidos.

10 anos após o triunfo da revolução de Abril, a reunião da casa da música recebe o devido reconhecimento e o seu lugar na História. Tendo ali sido colocada uma placa evocativa para assinalar a data, a que se seguiu uma sessão solene com a presença do executivo camarário, de alguns dos participantes dessa reunião e de membros do  movimento das forças armadas.

O Vereador Álvaro Loureiro e Otávio Pinto. 1983, no descerrar da placa evocativa do 10º aniversário da reunião de Óbidos, na antiga Casa da Música.

Em 1998, para celebrar os 25º aniversário do 25 de Abril, realizou-se em Óbidos, já na actual casa da música, uma cerimonia sob a égide do Sr. Presidente da Republica, Dr. Jorge Sampaio, e onde estiveram presentes os capitães, o marechal Costa Gomes e Marcelo Rebelo de Sousa (então líder do PSD), entre outros.(

Fotos de Otávio Pinto e Arquivo Histórico Municipal.